Apadrinhamento de burros

Uma das formas criadas para angariar os fundos necessários, de modo a cobrir despesas com resgates, bem como assegurar a alimentação e os cuidados veterinários dos burros residentes no Abrigo do Jumento, é o Programa de Apadrinhamentos. 

Com este Programa, qualquer pessoa interessada em apoiar o projecto, poderá simbolicamente apadrinharar por um ano um dos nossos burros, e assim colaborar nesta missão de ajudar a garantir o seu bem-estar.

O Pacote de Apadrinhamento inclui um Certificado com fotografia do burro apadrinhado, o respectivo Historial e a possibilidade de vir conhecer pessoalmente o animal.

O apadrinhamento é oficializado através de um donativo de 25 euros anuais, mas os Pais Adoptivos podem contribuir com outros donativos.

Como apadrinhar?

Os pedidos de apadrinhamento deverão ser feitos através dos contactos da Associação (email ou telefone).

Donativos

A Associação Burricadas agradece qualquer donativo voluntário por parte de particulares ou instituições que nos queiram apoiar.

NIB para Donativos: 0036 0120 99 1000 35 44 937
Titular: Associação p/Preservação do Burro - Burricadas
Banco: Montepio

Burros para Apadrinhar
 
Flôr                                                                                                                                       A Flôr chegou à Burricadas em Março do ano 2007, resgatada de um comerciante de gado. Encontrava-se com um dos cascos tão grande que já não permitia ao animal caminhar, apresentava uma infecção aguda numa pata, e para além de não ser alimentada, sobrevivia das pequenas ervas que conseguia encontrar num pasto sobrelotado conjuntamente com dezenas de outros animais e ainda era agredida com violência. Neste momento, após intensivos e prolongados cuidados veterinários, esta burrinha vive feliz no Abrigo, juntamente com os seus amigos, apesar de a sua locomoção ser limitada, devido às lesões que sofreu. A Flôr terá mais de 20 anos de idade, e possui uma personalidade vincada.
 
 
Gaiato

O Gaiato chegou à Burricadas em Agosto de 2007, adquirido a um agricultor. Trabalhava arduamente de manhã à noite na lavoura, usado em trabalhos variados, que iam desde puxar carroças, lavrar e debulhar, a carregar pesadas cargas no dorso. Esta vida de trabalhos forçados foi a causa de evidentes problemas de conformação, nomeadamente a nível da coluna, que se apresenta arqueada. Neste momento, vive feliz no Abrigo, juntamente com os seus amigos, onde se tenta assumir como líder do grupo. O Gaiato terá cerca de 20 anos de idade, possui uma personalidade marcada, e é bastante
meigo.
 
 
Duende

O Duende chegou à Burricadas em Março de 2007. Proveniente do Nordeste Transmontano, este burro Mirandês foi um dos oitenta nascimentos da raça no ano de 2006. Apesar de ser o segundo mais jovem do Abrigo, é também o mais perspicaz, inteligente e que se destaca no grupo, e que tem vindo a afirmar-se como o líder. Este animal não foi um caso de resgate, estando na associação como representante dessa raça autóctone nacional de asininos.

 
Tricas
A Tricana chegou à Associação em Julho de 2008, no mesmo dia que o Carocho, vinda do ambiente agrícola. Apesar de gestante, estava destinada a abate, por não poder executar mais os habituais duros trabalhos, em virtude de ter deslocado uma espádua (ombro). A fim de a salvarmos, a "Tricas" foi comprada pela Burricadas por um valor superior aquele que houvera sido oferecido pelo comerciante de carne.
A Tricas, que tem 21 anos de idade, já teve mais de 10 crias. A sua recente cria, a Urze, nasceu em Março de 2009. Devido às suas graves dificuldades de mobilidade, o seu uso como reprodutora terminou.
 
 
Urze
A Urze, filha da Tricana, nasceu no dia 14 de Março de 2009, a primeira cria nascida no Abrigo. O seu nascimento é causa de celebração, pois sem a intervenção da Burricadas nunca teria sido possível, visto que a sua mãe, apesar de gestante, ia para abate.
Tal como todos os animais bebés, é muito curiosa, e adora de correr e saltar, encantando todos à sua volta, os humanos  e até os outros burros do Abrigo, com as suas tropelias.
 
 
 Carocho
O Carocho é um burro de grande porte e o residente mais velho do Abrigo, mas também um dos mais vivazes. Nascido em 1974, este burro foi oferecido à Associação pelos seus idosos proprietários, que tinham pena de o terem de entregar a um comerciante de carne. Desde que chegou ao Abrigo, o convívio com os outros burros e os cuidados administrados contribuíram para que encontrasse uma segunda juventude, impondo a sua presença.
  
 
GaiatoII

Este é um residente recente do Associação, tendo sido comprado pela Burricadas a um comerciante de gado. A idade avançada deste burro, e as suas dificuldades de mobilidade fizeram com que os seus antigos proprietários não o quisessem mais. A sua vinda para o Abrigo do Jumento salvou-o de um destino incerto. Este animal apresenta todos os indícios de trauma emocional, devido a tratamento violento no passado. Apesar disso é um animal muito dócil e humilde, denotando claros sinais de ganho de confiança.
 
 
Pardal
O Pardal veio junto com o Gaiato II, do mesmo local. A grave deformação dos cascos que ostenta, resultante de aparações deficientes ao longo de muitos anos, fizeram com que não pudesse mais trabalhar. Foi salvo de servir como alimento para carnívoros. Apesar da sua limitada locomoção, o Pardal é um vivaço.
 
 

Carriça III
A Carriça III é  residente no Abrigo do Jumento desde Abril 2011. Esta burrinha veio de uma família de agricultores locais; tendo sido entregue pela filha dos seus proprietários, impossibilitados de tratarem dela, devido a idade muito avançada.
Esta burra, animal de grande porte, é muito meiga e dócil e em breve conquistará os afectos dos nossos visitantes.
Infelizmente, a Carriça III apresenta um nódulo saliente num dos lados, embora, de acordo com o veterinário, seja de natureza benigna. A Carriça encontra-se presentemente em recuperação, pois beneficiaria de aumentar a sua massa corporal um pouco mais.



 Carriça
A Carriça chegou à Associação no final de  Maio de 2009. Tratava-se de uma burra de trabalho já nossa conhecida de há algum tempo. Foi com grande surpresa que a encontrámos num comerciante de gado, já pronta para abate.
Apresentava problemas de locomoção ao nível das mãos, que a impediam de trabalhar, assim como diversas feridas por todo o corpo, sem serem contudo muito profundas ou graves.
Está neste momento em recuperação, sendo que até à presente data tentamos descobrir o problema que a faz coxear.
Este animal apresenta ainda alguma desconfiança para com os humanos, notando-se contudo algumas melhorias no pouco tempo que está connosco. 
 
 
Joana
A Joana chegou até nós em Agosto de 2009. A sua vinda para o Abrigo, salvou-a de ser abatida, já que, apesar de não ser um animal idoso (cerca de 15 anos de idade), apresentava graves feridas nas pernas, de origem parasitária, que tinham já dado origem a uma infecção que se encontrava generalizada a todo o corpo. Neste momento, a infecção já foi controlada, mas as feridas nos membros posteriores, de difícil cicatrização, ainda não fecharam na totalidade. A Joana é uma burra muito curiosa e de extrema docilidade, aproximando-se com confiança dos humanos.
 
 
Joana II
A Joana chegou no dia 25 de Abril de 2011 e em homenagem ao significado especial da data e ao facto de que foi resgatada antes de ir para abate, foi chamada de Joana-Liberdade, Apresentava os cascos muitos compridos, limitando-lhe o caminhar e a sua aparação foi um dos primeiros cuidados a dar-lhe. Este animal, com alguma idade, é muito dócil e tem uns olhos muito expressivos.
 
 
Tito
Chegado à Burricadas em Agosto de 2009, é o burro que actualmente inspira mais cuidados no Abrigo. Este animal, destinado a abate, foi-nos apresentado como um caso perdido num comerciante de gado, mas ainda valeu a pena tentar. Para além da sua idade bastante avançada e extrema debilidade, este burro apresentava uns cascos tão grandes que quase o impossibilitavam de caminhar, tendo já causado uma deformação óssea nas pernas dianteiras. A juntar a isto, este burro não se conseguia levantar sozinho e, devido a sucessivas quedas provocadas pela difícil mobilidade e debilidade, estava coberto de feridas por todo o corpo. Ficámos a saber que apesar do terrível estado em que se encontrava, era ainda por vezes usado para puxar uma carroça. Neste momento, e após tratamento dos cascos e cuidados diários das feridas, o Velhotinho encontra-se em franca recuperação, conseguindo já movimentar-se melhor e sendo também capaz de se levantar por si. Apesar de naturalmente desconfiado dos humanos, tem mostrado de dia para dia um aumento da confiança e vitalidade.
 
 
Carriça II
Proveniente do meio rural, a Carriça viveu os últimos oito anos da sua vida como mascote estimada de um rancho folclórico concelhio, antes de se tornar residente do Abrigo do Jumento. Felizmente para ela, a Direcção do Rancho optou por lhe proporcionar uma reforma merecida ao invés de a vender, tendo sido entregue aos cuidados da Burricadas. Curiosamente, ao entrar no transporte, em tom de agradecimento e de despedida, a Carriça zurrou para as presentes do Rancho. A sua fase de adaptação ainda está em curso, se bem que a Carriça tem dado provas de ser uma burrinha amistosa, amiga dos outros burros e pessoas à sua volta.

 
Boneca II
A Boneca II era um animal de trabalho, que sempre ajudou a sua dona nas tarefas agrícolas. Quis o destino que a sua dona não a acompanhasse até ao fim da vida, que adoecesse e não pudesse tratar dela.
Como no nosso país o trabalho de campo escasseia, o destino da Boneca ficou incerto, mas a sua sorte foi que, umas das filhas da sua proprietária não desistiu dela e durante algum tempo, pesquisou, contactou e tratou de lhe encontrar um novo lar, digno desta linda mula.
Após uma viagem repleta de imprevistos e dificuldades, a Boneca II chegou à Burricadas, onde vai ficar até ao fim dos seus dias.
Apesar da sua socialização ter melhorado bastante desde que está connosco, este animal ainda denota alguma intolerância ao contacto com as pessoas.


 
Bruma
A Bruma é uma jovem garrana que estava num comerciante de gado, que a ia levar para a Feira da Malveira no dia seguinte, onde pelo seu valor, o mais certo é que seria comprada para abate no matadouro. Este comerciante teve pena do animal e lembrou-se da Burricadas...
E assim veio a Bruma, uma pequena égua de aspecto vulnerável, um pouco magra, crina embaraçada e cheia de nós, com indícios de parasitas e os cascos crescidos.
A Bruma é muito meiga, mas bastante medrosa, um forte indicio de que teria sofrido maus-tratos. Afim de ajudar a Bruma a ultrapassar os seus medos, a melhorar a sua socialização e a facilitar o seu maneio, ela foi para um propriedade privada, onde partilha o espaço, com outros animais da sua espécie.
O resgate da Bruma foi um gesto que bem se enquadrou na época natalícia da sua chegada (Dezembro 2011). 


 
Gâmboa
Nascida em 1988, a Gâmboa é uma égua Puro Sangue Lusitano, que foi utilizada durante grande parte da vida como animal de ventre. Poucas horas antes de ser enviada para o matadouro, visto não poder reproduzir mais, foi salva pela Burricadas. Actualmente está instalada numa propriedade particular, junto com outros cavalos. É um animal muito dócil e meigo, mostrando, no entanto, alguma desconfiança com estranhos. No grupo em que vive assume o papel dominante, educando os mais novos.